Descrição

“Em 1680 a Família Nero, proveniente da Sardenha, instala-se em Sesimbra para produzir e exportar peixe seco e salgado.

  • Em 1912, Amadeu Henrique Nero com apenas 23 anos, juntamente com outros sócios sensivelmente da mesma idade, fundam em Sesimbra uma fábrica de conservas “ A Persistente”.
  • Em 1926, Amadeu Henrique Nero, decide acabar com as salgas e secagem de peixe, actividade que vinha a ser praticada pelos seus antepassados, para se dedicar exclusivamente à produção de conservas.
  • Em 1928 a sociedade passa a ser detida na totalidade por Amadeu Henrique Nero, que entretanto foi adquirindo a posição dos outros sócios.
  • Em 1930 as suas conservas são premiadas na Exposição Regional de Setúbal com a Medalha de Prata.
  • Em 1944 a Fábrica é transferida de Sesimbra para Matosinhos.
  • Em 1958, já depois da morte de Amadeu Henrique Nero, é inaugurada a nova fábrica em Matosinhos, construída de raiz por seu filho Amadeu Rodrigues Nero.
  • Em 1968, Amadeu Rodrigues Nero, adquiriu a Fábrica Nacional de Conservas em Setúbal, mas em 1973 essa unidade é vendida, mantendo-se a de Matosinhos.
  • Em 1990, já depois da morte de Amadeu Rodrigues Nero, a fábrica de Matosinhos que vinha a ser administrada pelos seus filhos Filipe Nero e José Nero, é vendida. Durante o período que as fábricas Nero laboraram (1912-1990), a produção era praticamente toda exportada para países Europeus e E.U.A, nas marcas Georgette e Catraio.

Entretanto antes da venda da fábrica de Matosinhos, em 1989, José Nero inicia a construção de uma pequena unidade no Montijo que arranca a produzir em 1992. Foi a primeira fábrica no País a cumprir todas as normas comunitárias, contudo encerrou em 1996 tendo, durante esse período 1989-1996, encerrado em Portugal mais de 20 fábricas.

  • Em 2010, José Nero faz renascer a Conservas Nero, relançando as marcas Catraio, Georgette, Naval, Açôr, Nazarena e Valflôr.
  • Em 2011 é criada uma inovação: conserva de peixe espada preto de Sesimbra.
  • Em 2012, a Camara Municipal de Sesimbra, através do Núcleo de Turismo promove o festejo do 1º Centenário da Nero no Castelo da Vila. A Junta de Freguesia de Matosinhos atribuiu o Galardão de Mérito no âmbito da comemoração do 1º. Centenário. A Camara Municipal de Setúbal, também não quis deixar de homenagear a Nero pelo seu 1º Centenário, através do Museu do Trabalho – Michel Giacometti, atribuindo o dia das Jornadas Europeias do Património à Conservas Nero com o tema: Conservar / Conservas, marcas e Memórias “Nero”.

Nos anos seguintes são lançadas algumas reinvenções  com ingredientes e condimentos que nunca tinham sido utilizados anteriormente em conservas como:  presunto, chouriço,  ervas aromáticas, frutos secos, azeite proveniente de agricultura biodinâmica, azeite trufado entre outros.

  • Em 2014 o Prémio Mercúrio nomeou a Conservas Nero na categoria Empresas com História no ano 2013 e em 2015 as conservas da Nero são nomeadas como produto do ano,  pela revista WINE.

Posteriormente o atum com algas Naval ganha 2 estrelas no Great taste Awards.  Actualmente, a Conservas Nero coloca os produtos quer no mercado doméstico quer na exportação, estando sempre atenta às novas tendências e aos paladares mais exigentes.”