Descrição

“A opção pela cultura da vinha resultou essencialmente da retoma de uma antiga atividade da casa agrícola, bem como do aproveitamento do espaço no ancestral “Monte”, disponibilizado pela redução da área de cereais, para o qual este reúne condições ótimas. Na vinha instalada, em que cerca de 36 hectares são castas tintas e 7 hectares castas brancas, privilegiaram-se as castas mais marcantes do Alentejo – Trincadeira e Aragonez nas tintas e Arinto e Antão Vaz nos brancos – a par de outras em menor proporção mas que se consideraram poder constituir uma mais-valia em termos diferenciadores: Alfrocheiro, Tinta Caiada, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional, Syrah e Baga nas tintas, bem como Verdelho, Sauvignon Blanc e Roupeiro nas brancas. Quer na vinha, mediante a seleção de castas e de um rigoroso acompanhamento e controlo da produção, quer na adega, mediante uma tecnologia adequada dispondo de modernos meios tecnológicos e de uma criteriosa utilização, “desenhou-se” um perfil de vinho que se quer potenciador das melhores condições existentes e em que se procurou a elegância e a harmonia dos fatores casta e terroir, de forma a corresponder às expectativas e exigências dos consumidores atuais. “