Descrição

“A ALGAplus é uma empresa portuguesa cofundada em 2011 por biólogos, movidos pela paixão  pelas algas e com o objetivo de transformar o conhecimento da investigação, num negócio com impactos ambientais e socioeconómicos positivos.

Na Ria de Aveiro (Ílhavo), numa área classificada Natura 2000, cultivamos algas marinhas do  Atlântico durante todo o ano, num sistema de produção em terra inovador e sustentável, sob o  conceito de bioeconomia circular, imitando o que acontece na Natureza, e com certificação biológica.
São elas a alface-do-mar (Ulva sp.), a erva-patinha, também conhecida como “nori-do-atlântico”  (Porphyra dioica e umbilicalis), a cabelo-de-velha ou “ogonori” (Gracilaria sp.) e o chorão-do mar (Codium tomentosum), também apelidado na ALGAplus em jeito de brincadeira por percebes vegetarianos e a fava-do-mar (Fucus vesiculosus). As algas musgo-irlandês (Chondrus  crispus) e botelho-comprido ou “dulse” (Palmaria palmata), são produzidas por nós apenas nos  meses mais frios.
Por conhecermos as qualidades nutricionais destes vegetais marinhos, procuramos a  democratização do seu consumo, assumindo o compromisso de otimizar a nossa produção para  uma melhor relação qualidade/preço e desenvolver produtos que contribuam para uma  alimentação mais saudável e saborosa.
As macroalgas têm uma composição complexa e única em termos de macro e micronutrientes.  São excecionalmente ricas em Proteínas (algumas até 40% e de qualidade comparável à do ovo),  Fibra (semelhante à da couve), Minerais (fonte única de iodo e noutros com valores cerca de  10x superior aos vegetais terrestres) e Vitaminas essenciais (A, E, B12) e com poucas calorias.  Promovem a saciedade (dietéticas) e podem contribuir para reduzir as deficiências  generalizadas de Ferro e Iodo. O seu sabor “umami”, conferido pela riqueza em sais de potássio  e glutamato, ajuda a reduzir a adição de sal aos cozinhados.Cozinhar com algas traz aos cozinhados novos sabores, para além de todas as propriedades  nutricionais destes vegetais marinhos. Cada espécie tem um sabor, aroma e textura  característicos e distintos. As algas podem ser usadas como outro vegetal terreste, como  condimento ou substituição parcial do sal. De pratos peixe e marisco, a sua combinação mais  óbvia, a saladas, guisados ou carne, as algas podem ainda ser usadas em sobremesas.

Atividades:
Para além das atividades core de cultivo, processamento, desenvolvimento de produtos e  atividades de investigação científica, em projetos de inovação internos ou em consorcio, a  ALGAplus, tem uma política de portas abertas à comunidade escolar ou grupos organizados  através de operadores turísticos. Por reconhecer o interesse crescente das Comunidades sobre  as macroalgas e o modo de produção pioneiro e sustentável que praticamos, recebemos visitas  na nossa unidade de cultivo em Ílhavo, as quais vemos como uma oportunidade para esclarecer  e informar acerca deste recurso marinho tão rico e de múltiplas aplicações.”